Brasil

CIDA MOREIRA, ENTREVISTA

Por Eduardo Waack

Sua voz é potente como um trovão, mas também pode ser suave como um acalanto. É uma divina rainha da MPB que deixa a nós, seus admiradores, ansiosos por sua inspirada presença. Nascida na capital paulista em 12/11/1951, Cida Moreira é cantora e atriz. Gravou seu primeiro disco, Summertime, em 1981, e a partir daí seguiu reconhecida carreira musical. Com opiniões fortes e presença cênica marcante, ela é simples e complexa, brasileira e universal: contemporânea, eterna, reluzente.

Apresentação. Fale-nos um pouco sobre você.

Cida — Sou uma mulher de 66 anos, com uma filha de trinta anos… Comecei a cantar em programas de rádio no interior de São Paulo onde fui criada; estudo piano desde os seis anos. Sou cantora, atriz, pianista e psicóloga formada, profissão que exerci por sete anos até optar pelo teatro, cinema e música.

Como a música surgiu em sua vida?

Cida — Eu surgi para a música, como falei acima. Nasci com ela dentro de mim, como um dom que agradeço todos os dias da minha vida…

Relembrando a Vanguarda Paulistana dos anos 1980.

Cida — A tal Vanguarda Paulistana foi um dos grandes momentos de nossas vidas. As mistificações em torno dela apenas se valem de um saudosismo paralisante. Estamos todos aí, velhos, fortes e com trabalhos muito significativos, apenas isso…

Quais suas grandes influências e pessoas que admira?

Cida — Minhas influências são música erudita, pop, música brasileira de todas as épocas… E tudo isso continua me dando régua e compasso até hoje.

Quantos discos solo você lançou, e que estilos abrangem?

Cida — Tenho doze discos solo em LPs e CDs, e dezenas de participações honrosas em lindos projetos.

Quais seus principais parceiros musicais, e músicos com quem tocou e gravou?

Cida — Toco piano, solitariamente, mas trabalho com grandes músicos e instrumentistas. Ao longo de quarenta anos de carreira a lista é infindável e eu esqueceria alguns nomes…

Qual sua opinião sobre o panorama cultural e musical no Brasil atual?

Cida — O Brasil atual é o Brasil de sempre… Os criadores fundamentais continuam. Novas e boas gerações fazendo uma música forte e bela, e um comércio sem critérios vendendo quantidade sem qualidade… Os artistas de verdade não param, nem desistem por conta de nada.

O que pensa de uma América Latina mais unida e solidária?

Cida — Acho absolutamente improvável esta união. Os sistemas políticos não permitem isso, e somos muito diferentes mesmo entre nós.

Como as pessoas podem contatá-la e apoiar ou adquirir o seu trabalho?

Cida — As pessoas me contatam pelas mídias todas, página no face, site (www.cidamoreira.com), lojas de discos, em todo lugar, e muito You Tube, essa arma de divulgação poderosa.

Quais seus planos para o futuro?

Cida — Os mesmos de toda minha vida… Cantar com dignidade, coerência e integridade, e me retirar quando decidir isso. Simples…

Cida Moreira interpreta «Na Hora do Almoço» de Belchior, em vídeo dirigido por Murilo Alvesso.

“Forasteiro”, composição de Helio Flanders e Thiago Pethit. Cida Moreira ao vivo na Casa de Francisca, em São Paulo.

“O Ébrio” (Vicente Celestino), “Azulão” (Jayme Ovalle e Manuel Bandeira), “Todo o Sentimento” e “Geni e o Zepelim” (Chico Buarque). Cida Moreira no programa Ensaio, da TV Cultura.

Share this Story
Load More Related Articles
Load More By admin
Load More In Brasil

Check Also

VALDI AFONJAH, GUERREIRO DA LUZ

Por Eduardo Waack Conheci Valdi Afonjah em 1987, ...

Categorías